5. Transporte do Gás Natural

 

O transporte de gás natural pode ser realizado na fase gasosa ou liquefeita.

As características básicas desses transportes são:

a) Transporte na fase gasosa

O transporte é realizado à altas pressões na temperatura ambiente.

Para pequenas quantidades e distâncias o transporte do gás natural no estado gasoso comprimido pode ser realizado através de barcaças ou caminhões-feixe e armazenado em feixe tubulações comprimido a pressões de cerca de 230 Kgf /cm 2 o volume é da ordem de 5000 m 3 de gás natural por reboque, para o caso do transporte rodoviário.

No caso de grandes volumes em regime de operação contínua nas mais variadas distâncias o transporte por gasodutos a pressões de até 120 Kgf/cm 2 se apresenta como meio de transporte econômico e confiável.

b) Transporte na fase líquida

O gás natural para se tornar líquido é refrigerado e mantido à temperatura de -160 graus centígrados à pressão próxima da atmosférica, exigindo um complexo sistema de armazenamento e transporte específico para operar com o gás natural nessas condições.

Pode-se dizer que, em média, 600 m3 de gás natural quando liquefeito ocupam l m3 razão pela qual esta é a forma mais conveniente para ser transportado em navios ou barcaças e armazenado no terminal.

O transporte marítmo de GNL é efetuado em navios com capacidade de até 125000m3 de GNL e o fluvial através de barcaças ou navios de pequeno porte com capacidade variando de 600 à 6000 m3 de GNL.

Normalmente, o terminal marítimo armazena o GNL em tanques criogênicos e o gás natural é enviado ao sistema de transporte dutoviário com o auxílio de bombas centrífugas e vaporizador de GNL.

O transporte terrestre pode ser efetuado através de caminhões-tanque ou vagões-tanque com capacidade da ordem de 35 m3 de GNL. Os tanques são fabricados com aço e isolamento térmico especial para manter o gás natural na fase líquida e, por este motivo, os custos são muito elevados.